Rússia tenta levantar cortina de ferro na Internet

2021-11-29 07:16:58 By : Mr. John Zhang

Rússia tenta levantar cortina de ferro na Internet

Foto: Agência Sefa Karacan / Anadolu

Dois anos atrás, a Rússia adotou uma legislação conhecida como "Lei Soberana da Internet" para proteger o país de ficar sujeito ao controle de infraestrutura estrangeira. Agora, Moscou apresentou um novo projeto ainda mais ambicioso, criando um dispositivo de "censura na Internet" que permite bloquear, filtrar ou desacelerar sites.

A Internet, sendo um espaço que permite o compartilhamento de informações em alta velocidade, é utilizada para a divulgação de dados, a qualquer hora e para qualquer parte do mundo. Características que tornaram a web inimiga de vários regimes ou governos autoritários. Na Rússia, a Internet tem sido amplamente usada por ativistas e oponentes de Vladimir Putin para divulgar manifestações e denunciar a repressão das autoridades.

O presidente russo vê a Internet como uma ameaça ao poder e tentou fazer com que a rede do país, até agora aberta e de livre acesso, se tornasse uma ameaça. A nova tecnologia afeta cerca de 120 milhões de usuários de Internet na Rússia, segundo pesquisadores e ativistas.

A revolução da Primavera Árabe, que começou na Tunísia, demonstrou o poder das redes sociais há 11 anos. Os manifestantes usaram o Facebook para divulgar os protestos e convidar a sociedade civil a participar da revolução. Putin também terá percebido o papel da mídia social.

Numa espécie de nova cortina de ferro - política seguida pela União Soviética durante a chamada Guerra Fria que impunha, entre outras questões, censura estrita - o regulador russo da Internet exigia que empresas prestassem serviços no país com detalhes técnicos, como números de tráfego, especificações de equipamentos e velocidades de conexão, escreve o diário americano "The New York Times". Depois de coletar as informações, as autoridades russas enviaram as caixas pretas com o equipamento de censura que as empresas não podiam recusar.

Em março deste ano, talvez por engano, foi possível ver como funciona o sistema. Sem explicação, durante as manifestações em favor do oponente de Putin, Alexei Navalny, a rede social Twitter - que Moscou já havia pedido para bloquear 3.000 publicações "ilegais" - tornou-se extremamente lenta.

No dia 10 daquele mês, dezenas de sites foram bloqueados, incluindo vários com links para Navalny. Até hoje eles ainda estão fechados.

A censura digital não é a única tentativa do governo russo de controlar as informações. Canais de televisão, estações de rádio e jornais também enfrentam restrições rígidas. Na área cultural, quem mais sente os tentáculos do controle são os humoristas que correm o risco de satirizar o presidente Putin ou seu governo (veja box ao lado).

Comediantes expulsos da televisão russa

A Internet parece não ser o único problema enfrentado pela presidência de Vladimir Putin. Vários comediantes foram expulsos da televisão por fazerem piadas sobre o presidente ou o governo. Os artistas levaram os programas spoof para o YouTube, mas isso não impediu as autoridades russas de encontrar uma maneira de "puni-los". Foi o caso da atriz Larisa Krivonosova, condenada a dez dias de prisão por satirizar a porta-voz do Ministério do Interior russo. Mais sério é o caso de Aleksandr Dolgopolov, um comediante russo que fugiu do país no ano passado temendo por segurança quando descobriu que a polícia estava investigando as imagens de suas apresentações.

Apoio a Lukashenko O presidente russo, Vladimir Putin, prometeu ontem apoiar seu homólogo bielorrusso Alexander Lukashenko contra a "interferência" estrangeira, enquanto os dois assinavam uma série de acordos sobre integração mais estreita.

Unidade e resistência - Em uma reunião com Lukashenko, Putin deu as boas-vindas aos laços bilaterais entre a Rússia e a Bielo-Rússia e prometeu apoio contínuo de Moscou ao cada vez mais isolado Lukashenko. "Juntos, vamos resistir a qualquer tentativa de interferir nos assuntos internos de nossos Estados soberanos", disse o líder russo.

Receba as notícias do dia e alertas de última hora. Aqui está um exemplo.